Quando você ensina, transmite. Quando você educa, disciplina. Mas quando evangeliza, salva. A. R.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Aprendendo com a Natureza


Lendo uma historinha ...
Laurinha, menina boa e amorosa, ouviu uma palestra na escola dizendo que trabalhar é para pessoas adultas, e que crianças tinham apenas que estudar e brincar.
Assim, quando a mãe lhe pedia para fazer alguma coisa, alegava que precisava estudar, que os amigos estavam esperando para brincar, ver televisão, ou, simplesmente, que estava cansada.
Certo dia, vendo Laurinha sem fazer nada, sentada a soleira da porta da cozinha, a mãe pediu:
–  Minha filha, enxugue a louça para mim, sim?
A resposta veio rápida:
– Não posso, mamãe, estou descansando.
A mãezinha pensou um pouco e disse com carinho:
– Laurinha, todos nós temos que dar nossa contribuição na vida colaborando para o bem-estar geral.
– Criança tem que estudar e brincar. Trabalho é coisa de adulto, mamãe – retrucou a menina, mostrando o que tinha aprendido.
– Não é bem assim, minha filha. A atividade remunerada, o trabalho profissional, é serviço de pessoas adultas. Porém, dentro da nossa capacidade, é preciso retribuir um pouco do muito que temos recebido da vida.
A senhora parou de lavar a louça e, virando-se para a menina, sugeriu:
– Laurinha, aproveite que não está fazendo nada, vá até o quintal e observe bem a natureza. Depois volte e conte-me o que você viu.
Embora de má-vontade, a menina levantou-se e saiu caminhando pelo quintal. No começo nada percebeu. Passou os olhos pelas flores que se abriam, coloridas e belas, enfeitando o quintal. Andou mais um pouco e viu uma laranjeira coberta de flores perfumadas. Depois, viu uma abelhinha apressada que ia de flor em flor, retirando o alimento, e em seguida, voava para o toco de uma árvore onde fabricava um favo de mel.
Observou laranjeiras com frutos pequenos e verdes, enquanto outras já tinham laranjas maduras.
Passando por uma mangueira, apanhou uma manga e sentou-se no chão para saboreá-la. Adorava mangas!
Olhou para o alto e viu um passarinho que    
apanhava gravetos no chão e levava para um galho, no alto da mangueira, e ali o depositava cuidadosamente construindo o seu ninho.
Olhando para o chão, viu uma fileira de formigas que carregavam folhas, cascas de frutas e migalhas de pão para o formigueiro.
Laurinha admirou a organização delas, andando em fila ordenadamente. Todas carregavam alguma coisa. Todas trabalhavam!
Depois de chupar a manga, como estivesse toda lambuzada, a garota voltou para casa. Lavou-se na torneira do quintal e entrou na cozinha, procurando uma toalha para se enxugar.
Vendo a menina, a mãe perguntou:
– E então? O que você observou?
– Bem, vi uma abelhinha recolhendo o néctar das flores de uma laranjeira e levando para produzir o mel. Observei também que tem laranjeiras com frutos pequenos e outras com laranjas maduras. Vi nossa mangueira cheia de mangas maduras e apanhei uma para chupar. Estava uma delícia!
A menina parou de falar, pensando.
– O que mais você observou, minha filha?
– Vi também formigas levando comida para o formigueiro. Era como se elas tivessem ido ao supermercado fazer compras! Creio que foi só.
– E o que você achou de tudo isso?
– Percebi que a senhora tem razão, mamãe. Todos trabalham, mesmo os mais pequeninos: a abelha produz o mel, a árvore produz as flores que vão se transformar em frutos, as formigas levam comida para a família, o passarinho constrói sua casa...
– Muito bem, minha filha! E você poderia ter visto ainda muito mais: os insetos e pequenos animais que se alimentam dos frutos maduros que caem e que limpam o solo, a terra que recebe a semente e que a faz germinar, e tantas outras coisas.
Entusiasmada pelas descobertas, a menina concordou:
– Tem razão, mamãe, E tem o Sol que nos ilumina e aquece, a água que bebemos...
– Isso mesmo, minha filha. E tudo para quê?
– Para nos tornar a vida melhor e mais feliz. Tudo na natureza trabalha a benefício de todos. Como eu nunca tinha percebido isso?
Abraçando a mãe, Laurinha disse:
– Mamãe, também quero ajudar, colaborando para que todos sejam felizes. Aqui em casa, o papai trabalha para trazer dinheiro e podermos comprar alimentos e tudo o mais de que precisamos. A senhora faz todo o serviço da casa, limpando, lavando, arrumando e cozinhando. Também quero ajudar fazendo aquilo que for possível. Vou trabalhar daqui por diante ajudando a senhora e todos da nossa família. Sempre tenho recebido muito, agora quero aprender também a dar.
E a menina lembrava, com novo ânimo: posso regar o jardim, varrer o quintal, cuidar do cachorro, enxugar a louça, deixar meus brinquedos e minhas roupas arrumadas. Vou ter muito que fazer!

                                                                     Tia Célia      

Fonte: O Consolador - Revista Semanal de Divulgação Espírita
Autora: Célia Xavier Camargo
agradecimento à Carolina Von Sharten

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por sua mensagem. Será publicada após aprovação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...