Aguardando seu contato

domingo, 6 de janeiro de 2013

O problema da cremação - Irmão X




"CONHEÇAS A VERDADE E A VERDADE VOS LIBERTARÁ"- JOÃO 8:32



Vos libertarás de amarras que levam ao sofrimentos...

Sem dúvida o conhecimento abre portas!

Jesus nos ensinou a tanto tempo atrás... Mais de 2000 anos! E somente hoje, podemos sentir suas mensagens. Graças à Deus, estamos crescendo...


Hoje temos a Doutrina Espírita como luz a nos guiar, começando pela base, que sãos os livros organizados por Allan Kardec:



Depois vários outros irmãos nos enviaram lições, caminhos...

Aqui trago de nosso querido Humberto de Campos, citação esclarecendo a escolha sobre o ato da cremação.

Vamos nos informar, refletir e depois decidir nosso caminhar...

Boa Leitura. Elaine Saes.




Observando do plano espiritual a celeuma de muitas cidades, em torno da incineração dos cadáveres, a ser estabelecida por lei, reparamos que o assunto não é realmente para rir.
De um lado, temos os legisladores preocupados com a terra dos cemitérios e, de outro, determinadas autoridades eclesiásticas lançando a censura sobre os responsáveis pelo movimento inovador. Entre os atores da peça, vemos os defuntos de amanhã, sorridentes e bem-humorados, apreciando a pugna entre a religião e a pollitica.
Aqueles, como nós, que já atravessaram a garganta da sombra, seguem a novidade com a apreensão das pessoas mais velhas, à frente dum parque de crianças.
O problema da cremação do corpo, realmente, deveria merecer mais demorado estudo nos gabinetes legislativos.
Há muito caminho por andar, antes que o homem comum se beneficie com a verdadeira morte. A cessação dos movimentos do corpo nem sempre é o fim do expressivo transe.
O túmulo é uma passagem especial, a cujas portas muitos dormem, por tempo indeterminado, criando forças para atravessá-las com o precioso valor.
Morrer não é libertar-se facilmente.
Para quem varou a existência na Terra entre abstinências e sacrifícios, a arte de dizer adeus é alguma coisa da felicidade ansiosamente saboreada pelo Espírito, mas para o comum dos mortais, afeitos aos “comes e bebes” de cada dia, para os senhores da posse física, para os campeões do conforto material e para os exemplares felizes do prazer humano, na mocidade ou na madureza, a cadaverização não é serviço de algumas horas. Demanda tempo, esforço, auxílio e boa vontade.
Por trás da máscara mortuária, muitas vezes, esconde-se a alma inquieta e dolorida, sob estranhas indagações, na vigília torturada ou no sono repleto de angústia.
Para semelhantes viajores da grande jornada, a cremação imediata do comboio fisiológico será pesadelo terrível e doloroso.
Eis por que, se pudéssemos, pediríamos tempo para os mortos.
Se a lei divina fornece um prazo de noves meses para que a alma possa renascer no mundo com a dignidade necessária, e se a legislação humana já favorece os empregados com o benefícios do aviso prévio, por que razão o morto deve ser reduzido à cinza com a carne ainda quente?
Sabemos que há cadáveres dos quais, enquanto na Terra, estimaríamos a urgente separação, entretanto, que mal poderá trazer aos vivos o defunto inofensivo, sem qualquer personalidade nos cartórios?
Não seria justo conferir pelo menos três dias de preparação e refazimento ao peregrino das sombras para a desistência voluntária dos enigmas que o afligem na retaguarda?
Acreditamos que ainda existe bastante solo no Brasil e admitimos, por isso, que não necessitamos copiar apressadamente costumes em pleno desacordo com a nossa feição espiritual.
Meditando na pungente situação dos recém-desencarnados, observo quão longe vai o tempo em que os mortos eram embalados com a doce frase latina: - Requiescat in pace.
Não basta agora o enterro pacífico! É imprescindível a apressada desintegração dos despojos! E se a lei não for suavizada, com as setenta e duas horas de repouso e compaixão para os desencarnados, na laje fria de algum necrotério acolhedor, resta aos mortos a esperança de que os saltitantes conselheiros da cremação de hoje sejam amanhã igualmente torrados. 
Do livro Escultores de Almas, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier, de autoria de Espíritos diversos.

2 comentários:

  1. Muito interessante este texto...
    Eu costumo dizer que depois que morrer poderei ser cremada e jogada na raiz de uma árvore.Olhando assim parece até bonito.Mas em se tratando de pessoas que ainda não tem uma visão tão clara do desenlace, ou que simplesmente não aceitam a morte, fica muito complicado tornar-se lei a cremação. Espiritualmente falando não é algo tão simples assim. Boa lição amiga!Obrigada

    ResponderExcluir
  2. William Shakespeare: Há mais mistérios entre o céu e a terra,..."

    Esse assunto também é muito delicado.
    Um beijo amiga Patrícia.
    Com carinho,
    Elaine Saes

    ResponderExcluir

Obrigada por sua mensagem. Será publicada após aprovação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...