Quando você ensina, transmite. Quando você educa, disciplina. Mas quando evangeliza, salva. A. R.

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

A COMUNICAÇÃO COM OS ESPÍRITOS





Os Espíritos podem entrar em relação conosco?
Deus tem permitido que os Espíritos se comuniquem com os homens para lhes dar a certeza da imortalidade.

De que maneira os Espíritos se manifestam aos homens?
De várias maneiras: tornando-se visíveis, falando-nos diretamente ou com o auxílio dos médiuns.
Nós, se formos músicos, podemos, para provar que de fato o somos, assobiar ou cantar uma ária. Mas se não tivermos voz ou não pudermos assobiar, podemos tomar um instrumento qualquer que conheçamos e tocar a música que possa demonstrar a todos que somos músicos.
Assim os Espíritos: uns se manifestam pessoalmente, outros o fazem por uma outra pessoa que seja médium.
Lendo, depois, “O Livro dos Médiuns”, de Allan Kardec, compreenderemos o mecanismo da comunicação.

Mas dizem que não se devem evocar os Espíritos?
Não se deve evocar um Espírito que não se conhece, ou, então, chamar os Espíritos para fins inúteis. Devemos sempre preferir os nossos parentes ou amigos em que depositamos confiança, mas sempre para fins espirituais.

Então é perigoso evocar qualquer Espírito?
Seríamos capazes de chamar qualquer homem que não conhecêssemos para fazer-lhe perguntas ou trocar ideias? Evoquemos de preferência o nosso Anjo da Guarda, os nossos Espíritos Protetores, e seremos bem sucedidos.

Há Espíritos que velam particularmente por nós?
Deus em sua Bondade Suprema deu a cada um de nós um Espírito Protetor, a quem chamamos Anjo da Guarda, encarregado de nos vigiar, de inspirar-nos bons pensamentos, ajudar-nos com seus conselhos, consolar-nos e sustentar a nossa coragem nas provas da vida.

Os Espíritos experimentam as mesmas necessidades e sofrimentos que nós?
Conhecem-nas porque passaram por elas, mas não as sentem do mesmo modo que nós, visto estarem isentos do corpo carnal.

Os Espíritos sentem cansaço?
Não; suas forças se reparam naturalmente sem o esforço dos órgãos.

Os Espíritos necessitam de luz para ver?
Veem por si mesmos e no outro mundo só há trevas para aqueles que estão em expiação.
Então os Espíritos veem as coisas tão distintamente como nós?
Mais distintamente, pois a sua vista penetra onde a nossa não pode penetrar.

Os Espíritos ouvem os sons?
Ouvem, e até percebem sons que os nossos ouvidos não podem perceber. 

Extraído do livro Espiritismo para crianças - Caibar Schutel








ESTUDO DE LIVROS

Livro ESPIRITISMO PARA CRIANÇA - CAIBAR SCHUTEL

O HOMEM E A IMORTALIDADE - Caibar Schutel






Sendo a religião uma ciência que nos ensina os nossos destinos depois da morte, qual é a natureza íntima do homem? O homem é apenas corpo?
Não, o corpo humano não é mais do que o instrumento de que o Espírito se serve neste mundo para trabalhar pelo seu adiantamento. Por ocasião da morte, o “homem espiritual” abandona o corpo como nós fazemos à roupa velha.

Então é ao “homem espiritual” que dão o nome de Espírito?
Perfeitamente. Todas as criaturas são Espíritos revestidos de corpos carnais.

Neste caso, o Espírito não nasceu quando o corpo nasceu?
O Espírito vive antes, no espaço, e se encarna no nosso e em outros mundos tantas vezes quantas forem necessárias ao adiantamento.

Os animais também são Espíritos?
Também, mas muito mais atrasados que o homem, embora imortais e suscetíveis ao aperfeiçoamento, pois o progresso é uma lei de Deus, e, sendo os animais criaturas de Deus, não seria justo que Deus os criasse para deixá-los morrer para sempre. (1)


(1) Embora a palavra Espírito seja quase sempre utilizada para designar a criatura humana quando desencarnada, sua utilização no tocante aos animais também desencarnados é encontrada na obra de Allan Kardec, como podemos verificar na Revue Spirite de 1861, tradução publicada pela Edicel, pp. 227 a 229; na Revue Spirite de 1865, Edicel, pp. 128 e 129;  e em O Livro dos Médiuns, cap. XXV, item 283, pergunta 36ª.

Sobre a presença de Espíritos de animais no plano espiritual, veja “O Espiritismo responde” da edição 266, de 24/6/2012, da revista “O Consolador”. Eis o link: http://www.oconsolador.com.br/ano6/266/oespiritismoresponde.html


Como pode um Espírito viver no outro mundo sem corpo?
O Espírito tem corpo de uma matéria fluídica e quanto mais adiantado ele é tanto mais fino e brilhante é o corpo que o reveste.

Neste caso os Espíritos reconhecem-se uns aos outros?
Sim, visto que têm corpo. Reconhecem-se como nós reconhecemos os parentes e amigos.

Até os Espíritos dos animais têm corpo?
Têm-no, semelhante, na aparência, ao corpo que tinham na Terra. É a esse corpo que damos o nome de perispírito.

Os Espíritos andam mais depressa do que nós?
Muito mais depressa do que os nossos mais velozes veículos e aviões; transportam-se de um a outro lugar com uma velocidade incrível, como a do pensamento, conforme o grau de adiantamento e a tarefa que tiverem no Espaço.

Por que não vemos os Espíritos?
Pela imperfeição dos nossos órgãos visuais, assim como não vemos também o ar que respiramos e as estrelas à luz intensa do Sol.

Os Espíritos foram criados bons ou maus?
Deus criou todos os Espíritos simples e ignorantes; cada um chega mais ou menos depressa à perfeição, conforme o uso que faz da sua liberdade.

Quer isto dizer que não existem anjos e diabos conforme ensinam as seitas religiosas?
Perfeitamente: assim como não existem penas    eternas e inferno.
E aqueles que praticam o mal aqui?
Sofrem na outra vida o castigo desse mal e se encarnam novamente para reparar as faltas cometidas.

O Espírito pode então durar 1.000 ou 2.000 anos?
Milhares de milhares de quatrilhões, de sextilhões de anos. O Espírito nunca morre, o Universo é infinito e o Espírito é imortal: quanto mais vive, mais sábio e mais feliz se torna, mais liberdade tem para ir aonde quer; mais conhece e aprecia as obras da Criação. 

Extraído do Livro Espiritismo para criança - Caibar Schutel



A ORAÇÃO - Caibar Schutel




O que é a oração?
A oração é a elevação da nossa alma para Deus: é por ela que entramos em comunicação com Ele e dEle nos aproximamos.

Deus atende àqueles que oram com fé e fervor?
Deus envia-lhes sempre bons Espíritos para os auxiliarem.

Existem fórmulas especiais de orações?
Não. A Divindade pouco se preocupa com as fórmulas; as intenções do suplicante é que fazem peso na balança da Bondade Divina.

Por que então existem, mesmo no Espiritismo, orações ditadas por Espíritos e que foram publicadas em livros?
Para ensinar os homens a raciocinar quando se dirigem a Deus e fazê-lo não só por meio de palavras, como também pelo sentimento e com inteligência.

Então essas fórmulas não compõem um ritual?
O Espiritismo não tem ritual nem formalismo. O intuito dos Espíritos, dando-nos uma coleção de Preces, é nos oferecer um modelo de como deve ser feita a Prece, sem que por isso se restrinjam às palavras escritas. É, ainda mais, como se disse, tornar a oração inteligente e compreendida, e dar o sentido da petição que devemos fazer ao Supremo Criador, para aprendermos a pedir o que nos convém e o que nos é útil.

A oração é agradável a Deus?
Sim, porque é um ato de humildade, é o reconhecimento das nossas fraquezas e da nossa inferioridade, invocando o auxílio dos Poderes Superiores, sempre solícitos em atender aos nossos rogos.

O que dizer das orações repetidas inúmeras vezes?
Já dissemos que a bondade de Deus não está voltada para as fórmulas e o número de palavras, mas sim para as intenções de quem ora. As intermináveis ladainhas, as “Ave-Marias” e “Padre-Nossos”, repetidos 5 ou 7 vezes, as rezas pronunciadas com os lábios, que o coração não sente e a inteligência não compreende, não têm valor perante Deus. Jesus disse: “Não vos assemelheis aos hipócritas que pensam que pelo muito falar serão ouvidos”. O essencial é orar bem e não muito.

Por quem devemos orar?
Por nós mesmos, por nossos parentes, pelos nossos amigos e inimigos deste e do outro Mundo; devemos orar pelos que sofrem e por aqueles por quem ninguém ora.

É lícito receber paga por orações que se fazem por outrem?
A razão está nos dizendo que Deus não vende a sua misericórdia, nem tem parte com os traficantes que negociam até com as coisas divinas.

Então os ofícios e as orações pagas não chegam a Deus?
Absolutamente não. A prece é uma manifestação de amor e de humildade; aqueles que se elevam pela prece ao Supremo Criador devem se revestir de desinteresse e humildade.

Qual a oração ao Senhor?
Nosso Pai, que estais no infinito, santificado seja o vosso nome; venha a nós o vosso reino – o reino do bem; seja feita a vossa vontade na Terra e no espaço, assim como em todos os mundos habitados; dai-nos o pão da alma e do corpo; perdoai as nossas ofensas como de todo o coração perdoamos aos que nos têm ofendido; não nos deixeis sucumbir à tentação dos maus Espíritos, mas enviai-nos os bons para nos esclarecerem.
Amo-vos, ó meu Deus, de toda a minha alma e quero amar a todos os homens que, pelo vosso amor, são todos meus irmãos.

Qual a oração ao Anjo da Guarda?
Espíritos bem-amados, Anjos da Guarda, vós a quem Deus em Sua infinita misericórdia permite velar pelos homens, sede nossos protetores nas provações da vida terrestre; dai-nos a força, a coragem, a resignação, inspirai-nos tudo o que é bom; reprimi a nossa inclinação para o mal; que a vossa suave influência penetre em nossas almas; fazei que reconheçamos que um amigo devotado está junto de nós, vendo os nossos sofrimentos e participando das nossas alegrias. Não nos abandoneis; necessitamos da vossa proteção para suportarmos com fé e amor as provas que aprouver a Deus enviar-nos.

Como devemos orar pelos que sofrem, encarnados e desencarnados?
Deus Todo-Poderoso, que vedes as nossas misérias, dignai-Vos escutar favoravelmente os votos que Vos dirigimos por amor aos que sofrem, encarnados ou desencarnados. Lançai para eles, ó meu Deus, um olhar de piedade e misericórdia; abri suas almas ao arrependimento e dai-lhes os meios de expiarem o seu passado. Estendei particularmente o vosso amor àqueles que temos conhecido e amado; enviai às suas almas um raio de esperança, fazendo-lhes entrever a grandeza dos seus destinos e a felicidade de estarmos reunidos um dia em mundos melhores.


 Extraído do livro Espiritismo para crianças



RELIGIÃO - Caibar Schutel




O que é Religião?
É a ciência que nos conduz a Deus, tornando-nos conhecedores dos nossos deveres e dos nossos destinos depois da morte.

A Religião pode então nos esclarecer sobre os nossos destinos além do túmulo?
Perfeitamente: é este um dos principais ensinos da Religião, visto como a sua ação não se limita a este pequeno mundo em que nos achamos.

Em poucas palavras, no que consiste a Religião?
Amar a Deus de todo o nosso coração, entendimento e alma, com todas as nossas forças e ao próximo como a nós mesmos.

Que se deve fazer para amar a Deus?
1° – Elevar para Ele a alma em oração.
2° – Ter confiança na Sua bondade e na Sua justiça.
3° – Ser caridoso, isto é, aliviar e consolar os que sofrem e fazer aos infelizes todo o bem que se possa fazer.
4° – Dedicarmo-nos ao estudo da sua Lei, que é a Religião.

Que devemos fazer para amarmos a nós mesmos?
Estudar e nos tornar virtuosos, trabalhar pelo nosso progresso espiritual e pela nossa manutenção neste mundo; finalmente, ser bons, humildes, leais e caritativos.

Que devemos fazer para amar o próximo?
Fazer ao nosso semelhante, na proporção das nossas posses, tudo aquilo que desejaríamos que os outros nos fizessem.

É lícito odiar os que nos fazem mal?
Consistindo a Religião na prática da Caridade, é preciso perdoar sempre e pagar o mal com o bem.



Extraído do livro Espiritismo para crianças de Caibar Schutel



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...