Quando você ensina, transmite. Quando você educa, disciplina. Mas quando evangeliza, salva.

sábado, 30 de julho de 2011

Por que dar brinquedos para as criança?


Freqüentemente, os pais se vêem desorientados diante das novidades do mercado infantil que brotam diariamente nas lojas e dos repetidos apelos dos seus filhos para que comprem os brinquedos que os coleguinhas da escola possuem.
Mas é fácil administrar essa despesa e garantir que os artigos tenham um papel realmente positivo na vida das crianças, dizem os especialistas.
A principal regra é evitar o exagero. “Dar brinquedos a toda hora, sem critério, e ceder sempre aos pedidos dos filhos lhes dá a impressão errada de que na vida consegue-se tudo sem esforço”, diz Vivien Santa Maria, psicóloga e pedagoga, diretora da Escola Pólen, do Rio de Janeiro. “A família deve sempre preparar a criança para o mundo real.”
O excesso de presentes, muitas vezes, é uma forma de os pais aliviarem a culpa por não participarem o quanto e como deveriam da vida das crianças.
“No fundo, os filhos não querem tantas coisas assim, apenas carinho e compreensão. Os desejos de brinquedos demais podem estar escondendo uma carência de cuidados”, afirma Silvia Alambert, educadora financeira e diretora do programa The Money Camp no Brasil. (Para quem quiser se aprofundar no assunto, ela recomenda o livro “O que as crianças realmente querem que o dinheiro não compra”, de Betsy Taylor, editora Sextante.)
Prestando atenção nas crianças, os pais percebem melhor quais são as suas necessidades e anseios verdadeiros. Por exemplo, todo mundo já viu meninos e meninas se divertindo mais com a embalagem do presente do que com o conteúdo, porque, às vezes, os pequeninhos sequer compreendem direito o brinquedo.
E, embora muitos artigos tenham propósitos educativos, é perfeitamente possível obter os mesmos benefícios com artefatos mais simples. “Com um pedaço de papelão, uma criança inventa o seu próprio super-herói para se entreter”, exemplifica Vivien. Nessa situação, obtém-se o ganho extra de estimular a criatividade da meninada.
De uma maneira bem leve, é possível utilizar essa questão relativa a presentes e brinquedos como mote para a educação financeira dos filhos.
Um tema essencial a abordar é a escolha. “Os pais precisam esclarecer por que não há condições de ter tudo que se gostaria. Não é justo dizer não pelo não”, comenta Silvia. “As crianças entendem muito mais do que os adultos imaginam. Falar que a família está guardando dinheiro para uma viagem de férias legal e por isso os brinquedos novos estão fora do orçamento por algum tempo é perfeitamente compreensível. Os filhos então passam a se engajar no esforço.”
Não existe uma periodicidade ideal para presentear. Uma ideia que funciona bem é estabelecer que datas comemorativas como Natal, aniversário e Dia das Crianças são o lugar de brinquedos melhores. Durante o restante do ano, distribui-se artigos mais simples, sempre reforçando que se trata de uma celebração do amor que faz o pai ou a mãe se lembrar da criança ao topar, por acaso, com um brinquedo que agrada ao filho. “O presente tem que ter um significado”, frisa Silvia. E colocar momentos específicos para os mimos ensina a criançada a esperar e segurar a sua ansiedade.
O que não quer dizer que brinquedos devam ser empregados como recompensas por tarefas obrigatórias como fazer a lição de casa ou arrumar a cama. Nem suspender presentes é um castigo adequado. “Tais atividades têm um fim em si que deve estar bem claro”, comenta Vivien.
Outro exercício interessante é conversar de tempos em tempos com a criança sobre os itens que não são usados e propor doá-los.


Fonte: IG

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por sua mensagem. Será publicada após aprovação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...