Quando você ensina, transmite. Quando você educa, disciplina. Mas quando evangeliza, salva.

sábado, 26 de março de 2011

O Farol Apagado


Lendo uma historinha ...

Numa região muito distante, sobre um alto rochedo, existia um pequeno farol.
Naquele trecho da costa, o mar era muito perigoso, pois havia inúmeros rochedos que poderiam levar as embarcações a desastres, caso não percebessem o perigo a tempo.
Por essa razão foi construído o farol, para que os navios passassem em segurança pelo local.
Mas o pequeno farol vivia descontente. Achava sua vida muito monótona e sentia uma terrível inveja das embarcações que passavam ao longe, rumo a lugares distantes; das gaivotas que  voavam  livres  pelos ares e que poderiam    
conhecer terras estranhas; e, até, das estrelas que contemplava todas as noites brilhando no firmamento.
Mas ele vivia ali, parado, sem sair do lugar, dia após dia, noite após noite.
Sua única distração era esperar o faroleiro, isto é, o homem que cuidava dele, que todos os dias, ao anoitecer, vinha acender sua luz. E então, ele ficava ali, girando... girando... girando...
O faroleiro vivia sozinho e era a única pessoa que existia nas imediações. Certo dia, ele caiu doente na cama, ardendo em febre e sem condições de se levantar e executar suas obrigações costumeiras.
Naquela noite ninguém acendeu a luz do farol.
O farol estranhou o acontecimento, pois nunca antes ocorrera tal coisa, e estranhou ainda mais a escuridão que tomou conta de tudo. Ficou tudo escuro... escuro...
Naquela noite, nuvens pesadas cobriam o céu prenunciando tempestade, e logo um vento forte começou a soprar. Em pouco tempo a chuva caiu, torrencial.
Sem poder enxergar nada, só escutando o barulho da chuva que caía e o ruído das ondas do  mar  que  faziam  chuá...  chuá...chuá..., o
farol acabou adormecendo.  No dia seguinte, aos primeiros raios do sol é que pôde ver o que acontecera durante a noite.
Uma canoa fora arrastada pelas ondas do mar, batendo de encontro aos rochedos; um barco de pescadores acostumados com o farol que lhes indicava o caminho, bateram nas pedras, soçobrando. E até um grande navio, que fazia sua rota para terras distantes, também ficou preso entre os rochedos, sem possibilidade de sair.
Só então o pequeno farol, ao ver a extensão da tragédia que acontecera pela falta da sua luz, percebeu como sua tarefa era importante.
As pessoas foram socorridas a tempo, e o faroleiro, levado a um hospital para receber o necessário atendimento médico.
Em seu lugar, porém, ficou um substituto, outra pessoa responsável para acender a luz do farol, enquanto o faroleiro não estivesse curado e pronto para voltar ao trabalho.
A partir desse dia, o farol nunca mais lamentou seu destino, cumprindo sua tarefa com boa-vontade e amor.
Feliz, todas as noites ele podia ser visto girando... girando... girando...
E quem o visse, de longe, poderia notar que sua luz se tornara mais viva e mais brilhante.

                                                                    Tia Célia      

Fonte: O Consolador - Revista Semanal de Divulgação Espírita
Autora: Célia Xavier Camargo
Agradecimento à Carolina Von Scharten

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por sua mensagem. Será publicada após aprovação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...